segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Cardozo deixa Justiça e vai para AGU; procurador baiano assumirá MJ

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, deixará a pasta para assumir a Advocacia-Geral da União (AGU) no lugar de Luís Inácio Adams, que já havia acertado sua saída do primeiro escalão. E, para o Ministério da Justiça, foi convidado Wellington Cesar Lima e Silva, que foi procurador-geral de Justiça da Bahia no governo do petista Jaques Wagner, atual chefe da Casa Civil.

Inicialmente, a previsão era de que a posse de Lima e Silva e Cardozo ocorreria na quinta-feira (3), no Palácio do Planalto. No entanto, é provável que a cerimônia de posse seja antecipada para esta terça (1º).

A saída de Cardozo foi selada em reunião dele com a presidente Dilma nesta manhã, antes da reunião de coordenação política do governo. Ele já havia manifestado o desejo de sair e a presidente já havia dado início às conversas para encontrar o sucessor. O indicado de Wagner, Wellington Cesar, esteve no Palácio do Planalto na semana passada para uma conversa com a presidente e, agora, terminou escolhido.
Pesou a favor de Wellington o fato de ser procurador e ter relações com a Procuradoria-Geral da República e procuradores nos estados e, ainda, de ser amigo de Joaquim Barbosa, ex-ministro do STF. Portanto, na avaliação da presidente Dilma, ele tem condições de assumir a interlocução do governo com o Judiciário.

Sob o risco de perder os dois interlocutores com o Judiciário na mesma semana - Luis Inácio Adams e José Eduardo Cardozo -, a presidente fez apelo para que Cardozo aceitasse permanecer no governo, ocupando a vaga que era de Adams. Adams já havia acertado sua saída e vai trabalhar num escritório de advocacia internacional. A saída dele será esta semana.

As escolhas da presidente Dilma já foram feitas, faltando, apenas, ela ter a última conversa com Wellington Cesar, para formalizar o convite (a sondagem já fora feita pelo ministro Jacques Wagner) e também comunicar a Adams que o escolhido não será alguém de dentro da AGU, mas o ainda ministro José Eduardo Cardozo.

Nenhum comentário: