quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

‘Bacurau’ é indicado ao Spirit Awards, o Oscar do cinema independente

 

O brasileiro “Bacurau” vai concorrer ao troféu de melhor filme estrangeiro no Independent Spirit Awards, marcado para 22 de abril, três dias antes do Oscar.

A premiação de cinema independente americana anunciou nesta terça (26) seus indicados, num vídeo apresentado pela atriz Laverne Cox, o diretor Barry Jenkins e a atriz e diretora Olivia Wilde.

Esta é a segunda vez que Kléber Mendonça Filho, que assina a direção do longa com Juliano Dornelles, é indicado à premiação, considerada o Oscar do cinema independente . Em 2017, “Aquarius” concorreu na mesma categoria, mas perdeu para o alemão “Toni Erdmann”, que concorreu ao Oscar de filme estrangeiro naquele mesmo ano.

Para a edição deste ano, o Spirit Awards adicionou cinco categorias de TV às suas premiações de filmes: Melhor Nova Série com Roteiro, Melhor Nova Série ou Documentário não Roteirizado, Melhor Desempenho Masculino em uma Série com Roteiro, Melhor Desempenho Feminino em uma Série com Roteiro e Melhor Elenco em uma Série com Roteiro.

Veja a lista das indicações ao prêmio de melhor filme estrangeiro do Spirit Awards.

Melhor filme internacional (Prêmio concedido ao diretor)

“Bacurau” (Brasil), de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho

“The Disciple” (Índia), de Chaitanya Tamahane

“Night of the Kings” (Costa do Marfim), de Philippe Lacôte

“Preparations to be Together for an Unknown Period of Time” (Hungria), de Lili Horvát

“Quo Vadis, Aida?” (Bósnia e Herzegovina), de Jasmila Zbanic

Por FolhaPress

Mutação do coronavírus: Brasil proíbe entrada de viajantes da África do Sul


Uma portaria do governo federal publicada nesta terça-feira (26) proíbe a entrada no Brasil de passageiros vindos da África do Sul. Segundo a portaria, a medida foi tomada, entre outras razões, para evitar o impacto da nova 
variante do coronavírus. Os viajantes vindos do Reino Unido continuam impedidos de entrar no país.

Segundo o texto publicado, ficam proibidos, em caráter temporário, voos internacionais com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem pelo Reino Unido e pela África do Sul. Também fica suspensa a autorização de embarque para o Brasil de viajante estrangeiro, procedente ou com passagem pelo Reino Unido e pela África do Sul nos últimos quatorze dias.

O texto foi assinado pelos ministros Walter Braga Netto (Casa Civil), André Mendonça (Justiça e Segurança Pública) e Eduardo Pazuello (Saúde).

Demais estrangeiros podem entrar no país por via aérea desde que comprovem, por meio de teste RT-PCR, que não estão com Covid-19. O exame precisa ter sido realizado 72 horas antes do embarque.

Quem não cumprir as regras estipuladas pela portaria estará sujeito à:

  • responsabilização civil, administrativa e penal
  • repatriação ou deportação imediata
  • inabilitação de pedido de refúgio

Rodovias

A portaria mantém ainda a restrição à entrada de estrangeiros, de qualquer nacionalidade, por rodovias, outros meios terrestres ou por rios e afins. Os paraguaios poderão continuar entrando no Brasil normalmente pelas rodovias. E também aqueles moradores de cidades cortadas por fronteiras, excluídas as com a Venezuela.

O texto deixa claro que esse impedimento de entrada no Brasil não vale para:

  • brasileiro naturalizado;
  • imigrante com residência “de caráter definitivo” – não é válido para venezuelanos;
  • profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional;
  • funcionário estrangeiro que atue para o governo brasileiro;
  • estrangeiro que tenha as seguintes relações com brasileiro, cônjuge, companheiro, filho, pai ou curador- não vale para venezuelanos;
  • estrangeiro autorizado pelo governo devido à interesse público ou a questões humanitárias;
  • estrangeiro que tenha o Registro Nacional Migratório – não válido para venezuelanos;
  • quem trabalhar com transporte de cargas, como motoristas, por exemplo.


OMS emite nova diretriz para tratamento de pacientes de covid-19


A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu uma nova diretriz clínica para o tratamento de pacientes de covid-19 nesta terça-feira (26), inclusive para aqueles que exibem sintomas persistentes após a recuperação, e também disse que aconselha o uso de anticoagulantes de doses baixas para evitar coágulos.

“As outras coisas na diretriz que são novas são que os pacientes de covid-19 em casa deveriam usar oxímetro de pulso, que é a medição dos níveis de oxigênio, para que se possa identificar se algo em casa está se deteriorando e se seria melhor ter cuidados hospitalares”, disse a porta-voz da OMS, Margaret Harris, em uma entrevista na Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra.

A OMS aconselhou os clínicos gerais a colocarem os pacientes de bruços, o que se demonstrou melhorar o fluxo de oxigênio, disse ela. “Também recomendamos, sugerimos, o uso de anticoagulantes de doses baixas para evitar que coágulos se formem nos vasos sanguíneos. Sugerimos o uso de doses baixas, ao invés de doses mais altas, porque doses mais altas podem levar a outros problemas”, disse Harris.

Ela acrescentou que uma equipe de especialistas independentes liderada pela OMS que atualmente está na cidade chinesa central de Wuhan, onde os primeiros casos humanos foram detectados em dezembro de 2019, deve sair da quarentena nos próximos dois dias para investigar as origens do vírus com pesquisadores chineses.

Ela não quis comentar reportagens sobre atrasos na distribuição de vacinas na União Europeia (UE), disse que não tem dados específicos e que a prioridade da OMS é que os profissionais de saúde de todos os países sejam vacinados nos primeiros 100 dias do ano.

A AstraZeneca que desenvolveu sua vacina com a Universidade de Oxford, disse à UE na sexta-feira que não conseguirá cumprir as metas de suprimento combinadas até o final de março.

Agência Brasil

Ocupação de leitos covid-19 no RN é de 62%


O Rio Grande do Norte tem ocupação de 62% dos leitos para tratamento da covid-19 na manhã desta terça-feira (26). A região que possui a maior taxa é a Seridó, com 71,4%.

No Oeste Potiguar, a ocupação dos leitos está em 67,5%. A Região Metropolitana de Natal tem a situação mais confortável, com 56,2% dos leitos ocupados por pacientes em tratamento da covid-19.

Ao todo, o estado tem 253 leitos críticos para a doença. Desses, 93 estão disponíveis, 152 estão ocupados e oito estão bloqueados. O número de leitos clínicos é de 312, sendo 150 disponíveis, 154 ocupados e oito bloqueados.

Na lista de regulação, cinco estão na lista de espera para leitos críticos e cinco para leitos clínicos. Ainda são quatro pacientes esperando por avaliação do prestador para leitos de UTI e cinco para leitos clínicos.

Em relação aos hospitais, três estão operando com 100% da capacidade de internação: Hospital Rio Grande (Natal), Hospital Regional Dr. Cleodon Carlos de Andrade (Pau dos Ferros) e Hospital Regional Hélio Morais Marinho (Apodi).

Guedes: auxílio emergencial pode voltar se vacinação fracassar

 


O ministro da Economia, Paulo Guedes, reconheceu nesta terça-feira (26) a possibilidade de o auxílio emergencial voltar caso o número de mortes por coronavírus continue crescendo no país e o governo fracasse na vacinação da população.

Mesmo assim, ele defendeu responsabilidade para se analisar a questão e disse que é preciso verificar se o aumento recente de casos de Covid-19 não foi um reflexo pontual das festas de fim de ano. “Se a pandemia faz uma nova onda, com 1.200 ou 1.300 mortes, sabemos como agir. Mas temos que observar se esse é o caso.

De qualquer forma, ele disse que a medida exigirá sacrifícios do país e defendeu como contrapartida para a medida o congelamento de verbas para saúde e educação e de salários de servidores públicos.

“Não é só pegar o dinheiro e sair correndo. Tem que fazer todo o sacrifício”, disse o ministro, comparando o mecanismo a uma bomba atômica.

O ministro sugeriu que, caso a pandemia avance e o governo fracasse na vacinação, o auxílio emergencial seja recriado a partir de uma nova cláusula a ser inserida na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial, que tramita no Congresso desde 2019 com objetivo original de diminuir despesas obrigatórias.

A cláusula de calamidade pública seria inserida na PEC com objetivo principal de suspender a aplicação de normas fiscais como a regra de ouro (que impede endividamento para despesas correntes) em casos extremos de necessidade.

A regra poderia ser acionada tanto na pandemia do coronavírus como futuramente em outros casos extremos. O ministro citou como exemplo a elevação do nível do mar, que poderia afetar a população que vive no litoral brasileiro.

Ao mesmo tempo, o mecanismo exigiria a revisão de despesas. “Você aperta um botãozinho. Você desindexa, desvincula, e ao longo dos anos o aumento de receitas vai recuperando”, afirmou.

Por FOLHAPRESS

Ministérios formalizam parceria para revitalização de bacias hidrográficas


Cinco ministérios formalizam parceria para revitalização de bacias hidrográficas, com a participação de governos estaduais e da sociedade civil.

O Programa Águas Brasileiras quer garantir água em quantidade e qualidade em todo o país e atrair investimentos privados para projetos de recuperação e preservação de áreas degradadas.

Participam do Águas Brasileiras os ministérios do Desenvolvimento Regional, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Meio Ambiente, da Ciência, Tecnologia e Inovações e a Controladoria-Geral da União.

A parceria também prevê a criação da Plataforma Águas Brasileira, ferramenta digital que fará a conexão entre projetos para revitalização de bacias hidrográficas e organizações e empresas que desejem apoiar essas iniciativas.

O Governo Federal vai atuar na mobilização de agentes, entidades, organismos e recursos que possibilitem a recuperação das áreas nas bacias hidrográficas prioritárias.

Começa em fevereiro regularização fundiária em todo país

 


Adesão de municípios a ações de regularização fundiária e melhoria habitacional começa no próximo dia primeiro de fevereiro. A meta é iniciar o processo de regularização fundiária de mais de 100 mil imóveis, até o fim de 2021.

As regras do Programa de Regularização Fundiária e Melhoria Habitacional do Ministério do Desenvolvimento Regional integram as ações do Programa Casa Verde e Amarela.

Serão contempladas áreas ocupadas, majoritariamente, por famílias de baixa renda que vivem em núcleos urbanos informais de interesse social. Não poderão ser incluídas casas localizadas em áreas não passíveis de regularização ou de risco.

A regularização fundiária prevê melhoria da habitação, como reforma e ampliação do imóvel, construção de banheiro, cobertura ou piso, instalações elétricas ou hidráulicas entre outros.

Podem ser beneficiadas famílias com renda mensal de até dois mil reais. É necessário estar no CadÚnico do Governo Federal, não possuir outros imóveis no território nacional e o proprietário ser maior de 18 anos ou emancipado.

Todos os beneficiários do Bolsa Família vão ter acesso a conta social digital da Caixa


Até março deste ano, todos os as pessoas que recebem o Bolsa Família vão   ter uma conta social digital da Caixa Econômica Federal. “

A Poupança Social Digital é uma iniciativa importante do Ministério da Cidadania, que vai promover a maior inclusão bancária da história do Bolsa Família”, segundo  a secretária Nacional de Renda de Cidadania, do Ministério da Cidadania, Fabiana Rodopoulos.

Na primeira etapa do cadastramento, em dezembro de 2020, foram abertas 1 milhão e 500 mil contas sociais, para quem possuía NIS com término 9 e 0, seguindo a data de crédito regular do programa. 

Em janeiro de 2021, mais 2 milhões e 200 mil famílias vão receber os benefícios  com os serviços da Conta Poupança Social Digital.

A abertura das contas digitais ocorre de forma automática pela Caixa, sem que o beneficiário precise levar documentos às agências. 

A Conta Poupança Social Digital é uma poupança simplificada, sem tarifas de manutenção, com limite mensal de movimentação de R$ 5 mil reais. Para utilizá-la, não é preciso gerar nova senha. O beneficiário poderá usar a mesma senha do cartão social.

Além de movimentar o benefício pelo aplicativo de celular, os beneficiários poderão continuar sacando os recursos também por meio do Cartão Bolsa Família ou Cartão Cidadão. 

Neste mês de janeiro, mais de 14 milhões de famílias foram beneficiadas com o Bolsa Família, um orçamento de R$ 2 bilhões é 700 milhões de reais do Governo Federal.

Conheça os projetos que podem prorrogar o auxílio emergencial para 2021

 


O auxílio emergencial teve seus últimos pagamentos creditados no fim de dezembro, mas a pandemia de coronavírus que motivou a criação do programa continua afetando a vida de milhões de brasileiros. Até o momento, o Brasil já contabiliza mais de 217 mil mortes pela doença.

Com a continuidade da crise sanitária e a falta de um calendário de vacinação efetivo, vários parlamentares protocolaram projetos de lei que visam prorrogar o benefício para 2021.

Enquanto algumas propostas pretendem apenas estender os pagamentos para os primeiros meses deste ano, outras têm como meta uma prorrogação por um tempo maior.

Projeto de Lei 5.494/2020

O primeiro texto tem como autores os senadores Rogério Carvalho (PT/SE) e Paulo Rocha (PT/PA). Sua finalidade é prorrogar o auxílio emergencial no valor original de R$ 600 até junho de 2021. Até dois membros de cada família teriam direito aos pagamentos.

O projeto também inclui trabalhadores das áreas de cultura e da agricultura familiar, que não entraram nas regras do programa no ano passado.

Para Carvalho, ainda levará algum tempo até que a economia global retome seu curso após as medidas de isolamento como fechamento de bares, restaurantes, comércios em geral. Enquanto isso, o Congresso Nacional deve criar iniciativas para garantir dignidade aos brasileiros de baixa renda, defende o senador.

Projeto de Lei 5495/2020

De autoria dos senadores Alessandro Vieira (CIDADANIA/SE) e Esperidião Amin (PP/SC), o texto prevê a prorrogação do auxílio emergencial de R$ 300 até 31 de março de 2021. Segundo eles, uma parcela menor acarretaria em um rombo mais modesto aos cofres públicos.

Os senadores defendem que o país deve avançar na frente de proteção social, por meio da revisão da agenda social, para que essa possa incluir as famílias que entraram em situação de vulnerabilidade com a pandemia.

O projeto quer incluir os seguintes grupos na lista de beneficiários do auxílio emergencial:

  • Desempregados;
  • Não segurados de benefícios previdenciários ou assistenciais, seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda (exceto Bolsa Família);
  • Famílias com renda mensal de até meio salário-mínimo por pessoa ou renda familiar mensal de até 3 salários mínimos;
  • Cidadãos com posse ou propriedade de bens ou direitos de até R$ 300.000,00;
  • Contribuintes que receberam até R$ 40.000,00 em 2019.

Projeto de Decreto Legislativo 1/2021

Para viabilizar novos gastos com o auxílio emergencial, a proposta busca a prorrogação do estado de calamidade pública até o dia 30 de junho de 2021. Dessa forma, o governo poderia desrespeitar o teto de gastos e custear uma nova ajuda financeira para a população.

O texto é de autoria do senador Weverton Rocha (PDT/MA), que argumenta que o cumprimento do Orçamento previsto para este ano poderia causar a paralisação da máquina pública.

O governo poderia “estender o auxílio emergencial em valor digno, bem como do programa de apoio à preservação das micro e pequenas empresas, preservando, minimamente, o modelo constitucional de bem-estar social”, diz o projeto.

Calendário do auxílio emergencial

Ainda sem uma prorrogação oficial, o calendário do benefício chega ao fim na próxima quarta-feira, 27, com a liberação dos saques para os nascidos em dezembro. Fechando o calendário, a última parcela será liberada nesta semana para os seguintes grupos:

Mês de nascimentoCrédito em contaSaques e transferências
Novembro28 de dezembro25 de janeiro
Dezembro29 de dezembro 27 de janeiro 

Bolsa Família deve receber aumento no final deste mês. Confira novo valor

 


O governo federal tem a proposta de reestruturar o Bolsa Família por meio medida provisória (MP) dentro do orçamento de 2021. O objetivo seria criar novas bolsas por mérito escolar, esportivo e científico, ampliar benefícios e aumentar valores. Para o programa estão reservados R$ 34,8 bilhões no Orçamento da União neste ano.

Dessa forma, além do aumento no valor do benefício, mais 14,5 milhões de famílias seriam contempladas, pouco mais de 200 mil acima do número atual que é de 14,3 milhões. Os ministros ainda estão trabalhando na MP que deverá ser validada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Porém, a concessão de benefícios somente deve ocorrer depois de aprovação do Orçamento de 2021, que segue pendente porque, no momento, o Congresso está focado na eleição para os presidentes do Senado e da Câmara prevista para acontecer em 1º de fevereiro.

Aumento do benefício em valor médio de R$ 200

Com o fim do auxílio emergencial em dezembro de 2020, o governo está sofrendo pressão para fortalecer políticas sociais que ajudem financeiramente a população de baixa renda durante a pandemia.Inicialmente, o governo discutiu uma reformulação dos programas sociais, com criação do chamado Renda Brasil.

O programa não seguiu em frente em razão de resistências e falta de recursos. Por isso, agora, de acordo com informações do Estadão/Broadcast, a proposta é que o valor médio do Bolsa Família, passa a ser de R$ 200, atualmente o pagamento médio é de R$ 190.

Além disso, também serão reajustadas as faixas de renda que servem de linha de corte para o ingresso no programa. Por exemplo, para a situação de pobreza, quando a renda exigida é de até R$ 178 por pessoa, será modificada para cerca de R$ 192 por pessoa.

Faixas do Bolsa Família

Confira abaixo quanto é pago no Bolsa Família atualmente:

Bolsa Família Básico

R$ 89 por mês: pago apenas a famílias extremamente pobres (renda mensal por pessoa de até R$ 89).

Benefícios variáveis (até cinco por família)

  • Criança ou adolescente 

R$ 41: pago às famílias com renda mensal de até R$ 178 por pessoa e que tenham crianças ou adolescentes de 0 a 15 anos de idade. É exigida frequência escolar.

  • Gestante 

R$ 41: pago às famílias com renda mensal de até R$ 178 por pessoa e que tenham grávidas. São repassadas nove parcelas mensais.

  • Bebês

R$ 41: pago às famílias com renda mensal de até R$ 178 por pessoa e que tenham crianças com idade entre 0 e 6 meses, o objetivo é reforçar a alimentação do bebê, mesmo nos casos em que o bebê não more com a mãe. São seis parcelas mensais.

  • Adolescente

R$ 48 (até dois por família): pago às famílias com renda mensal de até R$ 178 por pessoa e que tenham como membros adolescentes entre 16 e 17 anos.É exigida frequência escolar.

  • Extrema pobreza

Valor calculado individualmente: pago às famílias que têm renda mensal por pessoa inferior a R$ 89, mesmo recebendo outros tipos de benefícios do programa.

Brasil tem 217,6 mil mortes e 8,8 milhões de casos de covid-19

 

O número de vidas perdidas em função da pandemia do novo coronavírus chegou a 217.664 no Brasil. Nas últimas 24 horas, foram confirmadas por equipes de saúde mais 627 mortes por covid-19. No domingo (24), o sistema de dados do Ministério da Saúde registrava 217.037 óbitos. Ainda há 2.860 falecimentos em investigação por equipes de saúde.

Já o número de pessoas infectadas desde o início da pandemia subiu para 8.871.393. Nas últimas 24 horas, as autoridades estaduais de saúde confirmaram 28.816 novos casos de covid-19. No domingo, o número de pessoas infectadas desde o início da pandemia estava em 8.844.577.

Os dados estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado nessa segunda-feira (25). O levantamento é feito a partir das informações sobre casos e mortes enviadas pelas secretarias estaduais de saúde.

Ainda há 944.127 pessoas com casos ativos em acompanhamento por profissionais de saúde. Outras 7.709.602 pessoas já se recuperaram da doença.

Em geral, os registros de casos e mortes são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação dos dados pelas secretarias de saúde aos fins de semana. Já às terças-feiras, os totais tendem a ser maiores pelo acúmulo das informações de fim de semana que são enviadas ao Ministério da Saúde.

Natal imuniza 9.944 pessoas contra a covid-19; vacinação é ampliada a partir desta terça-feira


Nessa segunda-feira (25), 1.267 pessoas foram vacinadas contra à Covid-19 em Natal, totalizando até o momento 9.944 doses aplicadas. Nos quatro pontos de vacinação da cidade, 1.147 profissionais da saúde receberam a imunização. Já nas Instituições de Longa Permanência foram vacinados 120 idosos.

A Prefeitura do Natal recebeu mais 11.258 da vacina contra a Covid-19 e vai ampliar, a partir desta terça-feira (26), as categorias dos grupos prioritários de profissionais da saúde. Nesta etapa, serão vacinados todos os profissionais dos Hospitais Maria Alice Fernandes, Santa Catarina, Polícia Militar, Municipal de Natal, João Machado e Walfredo Gurgel.  

Também serão vacinados nessa etapa os profissionais médicos legistas, técnicos de necropsia/ autópsia do Serviço de Verificação de Óbito (SVO), ITEP, os técnicos de laboratório e bioquímicos do Laboratório Municipal de Natal e os profissionais com escala comprovada nos centros cirúrgicos dos hospitais públicos e privados e dos serviços de hemodinâmica do setor público e privados. Para ter acesso a vacina o profissional de saúde precisa levar a escala médica do mês assinada e um documento de identificação com foto.

“A vacinação nos postos drive thru foi um acerto da administração porque está permitindo uma vacinação rápida e segura, evitando aglomerações e conseguindo controlar a imunização dos grupos prioritários”, diz o prefeito Álvaro Dias. 

Para atender a nova demanda, a SMS Natal abriu mais um ponto de vacinação para pedestre, dessa vez no Palácio dos Esportes. “A região Leste concentra o maior número de hospitais, os profissionais de saúde nos pediram a abertura de mais uma sala de vacinação para pedestres, na tarde desta segunda (25) abrimos a nova sala”, disse o secretário de Saúde de Natal, George Antunes.

A vacinação contra a Covid-19 funciona no esquema drive-thru em quatro pontos da cidade: Ginásio Nélio Dias, Shopping via direta, Arena das Dunas e Palácio dos Esportes. Caso o profissional não esteja de carro, pode optar por se vacinar em uma das salas de vacinação para pedestres nos locais de drive: Nélio Dias, Via Direta e Palácio dos Esportes.

Para uma melhor organização a SMS Natal pede que os Hospitais Maria Alice e Santa Catarina se dirijam ao drive Nélio Dias, Hospitais Municipal, João Machado e Polícia se dirijam ao drive Palácio dos Esportes e que o profissionais do Hospital Walfredo Gurgel se dirijam ao Via Direta.

Veja quantas doses cada município recebeu na segunda etapa de distribuição de vacinas no RN

O governo do RN realizou nessa segunda-feira (25) a segunda etapa de distribuição das vacinas contra a covid-19. A nova leva de imunizantes inclui as doses da Oxford/AstraZeneca, recebidas no domingo (25), e as doses da CoronaVac, descarregadas em solo potiguar nessa segunda-feira. Os municípios receberam 33.435 doses.

De acordo com o que foi pactuado entre Sesap e municípios, as vacinas serão direcionadas aos profissionais de saúde, priorizando vacinadores, quem atua em instituições de longa permanência para idosos e trabalhadores envolvidos diretamente na assistência a pacientes suspeitos ou confirmados para Covid-19.

As doses da vacina de Oxford/AstraZeneca serão direcionadas a 49 municípios que possuem hospitais de referência e unidades de pronto-atendimento para atendimento de pacientes suspeitos e confirmados de COVID-19, e hospitais gerais que tenham vacinado menos da metade do quantitativo estimado de trabalhadores da saúde na 1ª etapa do plano de imunização. 

As doses serão partilhadas de forma proporcional, para que não se ultrapasse a estimativa de trabalhadores de saúde por município. Com a retenção da reserva técnica, são 29.930 doses reservadas para a distribuição, sendo 5.380 delas direcionadas pela Sesap diretamente aos hospitais de referência no combate à Covid-19.

As 118 cidades potiguares restantes receberão 8.885 doses da CoronaVac. A quantidade envolve o carregamento recebido esta semana e 1.960 doses estimadas como reserva técnica da 1ª remessa.

Veja a distribuição por município:

Máscaras e isolamento continuam essenciais, dizem especialistas

 


O início da vacinação no Brasil e em outros países não significa que as pessoas devem retomar uma rotina semelhante à de antes da pandemia. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) já indicou que a imunização de rebanho pela vacinação não deverá ser atingida em 2021. A declaração foi feita este mês pela dra. Soumya Swaminathan, da OMS.

“Mesmo que as vacinas comecem a proteger os mais vulneráveis, não atingiremos nenhum nível de imunidade na população ou imunidade de rebanho em 2021. Mesmo que aconteça em alguns países, não vai proteger as pessoas ao redor do mundo”, disse ela, em entrevista coletiva, no dia 11 de janeiro.

Soumya elogiou o esforço dos cientistas na produção de não apenas uma, mas várias vacinas contra a covid-19, algo que, na sua opinião, era impensado há um ano. Ela acrescentou que as medidas de contenção da pandemia devem continuar sendo praticadas até o fim deste ano, “pelo menos”.

Esse raciocínio é acompanhado por especialistas aqui no Brasil. Segundo eles, a população não pode relaxar porque a vacinação começou. “Quando observamos nossa realidade no Brasil e as dificuldades que estamos tendo, a gente realmente passa a pensar que isso [o fim da pandemia] vai ser talvez em 2022 e olhe lá”, disse a médica infectologista e professora de medicina Joana D’arc Gonçalves. “A gente está vendo a guerra que é com essas poucas doses disponíveis no Brasil e nem temos a perspectiva de ter mais doses, por causa de todos esses conflitos, as dificuldades internacionais”, acrescentou.

Ela lembra que as vacinas apresentam particularidades que, de uma forma ou de outra, são entraves para sua distribuição. Seja uma necessidade de armazenamento em temperaturas muito baixas, seja a dificuldade de produção de insumos aqui no país. A médica recomenda que a população não veja a chegada da vacina como algo muito próximo e mantenha os cuidados tomados em 2020.

“A gente teve uma gota de esperança neste oceano de problemas. Temos que segurar a nossa onda, saber que o insumo existe, mas que precisaremos de um pouco mais de paciência. Não é tão fácil produzir rapidamente [uma vacina]”.

Vacinados e com máscara

De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Juarez Cunha, a imunização de rebanho só deverá ser alcançada se o mínimo de 60% da população estiver vacinada. Mas ele destaca que, mesmo que o Programa Nacional de Imunização (PNI) do Sistema Único de Saúde (SUS) seja sólido e consigamos vacinar parte da população brasileira até o fim do ano, o vírus ainda estará em circulação. E faz um alerta: mesmo os vacinados devem continuar adotando isolamento social, álcool em gel e máscara.

“Nenhuma vacina é 100% eficaz. Com a vacina, a pessoa tem uma chance muito grande de se proteger das formas moderadas e graves, mas não elimina a possibilidade de contrair a doença. Estando com a doença, ela vai transmitir para outros. Não dá para correr esse risco”.

Existe ainda o componente social dessa medida. Se todas as pessoas vacinadas pararem de usar máscara, isso pode, na visão de Cunha, desmobilizar a população como um todo para o uso dessa barreira contra a covid-19. Veremos mais pessoas sem máscara, estimuladas pelos vacinados. “E como as pessoas vão saber se aquela pessoa já foi vacinada?”, questiona.

Além disso, mesmo que parte da população do país se vacine ainda este ano, existirão “bolsões de vulneráveis”. São comunidades, bairros ou grupos de pessoas com poucos ou nenhum vacinado, onde haverá circulação do vírus. Esse conceito pode ser reproduzido em escala mundial. Afinal, em um cenário onde ainda há pouca vacina disponível, os países que saem na frente são os que têm mais dinheiro para comprá-las mas, em algum momento, os demais entrarão na partilha.

“Para termos uma proteção coletiva, precisamos ter ótimas coberturas vacinais em todos os países. Isso vai levar um tempo porque os países mais pobres terão que receber muitas vacinas no momento em que elas começarem a ser distribuídas para eles. Essas vacinas vão demorar ainda mais, provavelmente começam a ser distribuídas no segundo semestre”, analisou o presidente da SBIm.

Cunha reiterou a importância dessas medidas “não farmacológicas”, como uso de máscara, distanciamento social e higienização constante das mãos. Medidas simples, mas eficientes, no combate ao novo coronavírus. “São as únicas medidas que temos até agora que demonstram que diminuem a doença, a hospitalização e a morte. Independentemente de começarmos a vacinar, de vacinar um percentual grande da população, vamos ter que continuar com essas medidas por muito tempo”.

Imunização de Rebanho

Especialistas estimam que para tirar um vírus de circulação, é necessário ter em torno de 60% a 70% de pessoas vacinadas. “Depende da eficácia da vacina”, diz Joana D’arc. “Quanto maior a eficácia, pode-se até ter um número de imunizados menor que 70%”. Por meio da vacinação em massa, o Brasil já conseguiu imunizar sua população contra uma série de doenças perigosas.

Varíola, sarampo, rubéola, caxumba e meningite são alguns dos casos. A poliomielite, que ainda tem surtos em vários países, foi controlada no Brasil. No passado, inúmeras crianças morreram de catapora, hoje controlada. “Teve país que erradicou o câncer de colo de útero só por meio da vacina contra o HPV”, destacou a infectologista.

Governo vai pagar mais de R$ 248 milhões de auxílio emergencial para 196 mil pessoas

O governo federal vai pagar, na próxima quinta-feira (28), mais de R$ 248 milhões de auxílio emergencial para 196 mil pessoas. A portaria do Ministério da Cidadania foi publicada hoje (26) no Diário Oficial da União, após análise das contestações e revisões decorrentes de atualizações de dados governamentais.

O grupo de beneficiários inclui cerca de 191 mil pessoas que contestaram a suspensão do benefício no site da Dataprev, entre 7 e 16 de novembro e entre 13 e 31 de dezembro de 2020, além de 5 mil pessoas que tiveram os pagamentos reavaliados em janeiro de 2021. Elas receberão de uma só vez todas as parcelas a que têm direito.

De acordo com o ministério, entre as 196 mil pessoas, há 8,3 mil que receberão a segunda, a terceira, a quarta e a quinta parcelas do auxílio emergencial. Outras 40,9 mil pessoas receberão as três últimas parcelas. Uma terceira faixa, de quase 68,1 mil cidadãos, receberá a quarta e a quinta parcelas. Por último, 78,3 mil vão embolsar somente a quinta parcela.

Os recursos serão depositados na poupança social digital da Caixa e já estarão disponíveis no dia 28, tanto para movimentação por meio do aplicativo Caixa Tem, quanto para saques e transferências para outros bancos.

Compras pela internet

Com o Caixa Tem é possível fazer compras na internet e nas maquininhas em diversos estabelecimentos comerciais, por meio do cartão de débito virtual e QR Code. O beneficiário também pode pagar boletos e contas, como água e telefone, pelo próprio aplicativo ou nas casas lotéricas, e transferir os recursos sem o pagamento de tarifas.

Para o saque em espécie, é preciso fazer o login no aplicativo Caixa Tem, selecionar a opção “saque sem cartão” e “gerar código de saque”. 

Depois, o trabalhador deve inserir a senha para visualizar o código de saque na tela do celular, com validade de uma hora. Esse código deve ser utilizado para a retirada do dinheiro, que pode ser feita nas lotéricas, correspondentes Caixa Aqui ou mesmo nas agências.


Votação de extensão do auxílio emergencial pode ser em fevereiro, diz deputado


O deputado federal Chiquinho Brazão (Avante-RJ) não enxerga outra opção a não ser a volta do auxílio emergencial. Não por acaso, ele é o autor do projeto de lei 5650/20, que determina a extensão do benefício de R$ 600 até abril. Segundo ele, a volta do auxílio significa um “compromisso dos deputados com o povo.”

“A curto prazo, não temos outra escolha. A Câmara como um todo é favorável pela extensão dos R$ 600 para que tenhamos uma luz no fim do túnel”, disse o deputado ao CNN Business. 

“Devido ao momento, mesmo com o avanço da vacina, eu acredito que a votação pode ser em fevereiro.” Desde o início da pandemia, o governo já gastou mais de R$ 288 bilhões em pagamentos do benefício.

Entre abril e setembro, o valor do benefício era de R$ 600 por pessoa ou R$ 1,2 mil para mães provedoras da família. De outubro até dezembro, pagamento da última parcela, o valor cairia pela metade.

No valor cheio do benefício, a média de dinheiro dispendida pelo governo foi de R$ 50 bilhões por mês. Montante este que caiu pela metade nos últimos meses do ano. O grande problema – e que preocupa economistas e investidores – é de onde vai sair todo esse dinheiro.

A dívida pública do governo está cada vez mais próxima de 100% do PIB, o que não permite que o governo gaste o dinheiro como bem entender. Para completar, há o Teto de Gastos, regra que limita os gastos do governo aos mesmos do ano anterior, somada a inflação.

No ano passado, por causa da aprovação do estado de calamidade pública, o teto não precisou ser cumprido. Questionado sobre esse problema, o deputado não enxerga outra opção a não ser a extensão do estado de calamidade também para 2021.

Começam hoje as inscrições para o Fies 2021


Começam hoje (26) e vão até o dia 29 de janeiro as inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) 2021. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), este ano o Fies vai oferecer 93 mil vagas 

As inscrições podem ser feitas no portal do Fies. O resultado da seleção será divulgado no dia 2 de fevereiro.

Em caso de pré-seleção para uma vaga na chamada única do Fies, o candidato terá o período de 3 a 5 de fevereiro de 2021 para complementar sua inscrição.

Quem não for pré-selecionado vai automaticamente para a lista de espera. A convocação por meio da lista de espera ocorrerá de 3 de fevereiro até 18 de março de 2021.

Pelo regulamento do programa, os candidatos pré-selecionados na lista de espera deverão complementar a inscrição no prazo de três dias úteis, contados do dia subsequente ao da divulgação de sua pré-seleção no FiesSeleção.

Criado em 1999, o Fies tem como meta facilitar o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas. Pode se inscrever no processo seletivo do Fies o candidato que participou do Enem, a partir da edição de 2010, e tenha obtido média aritmética nas provas igual ou superior a 450 pontos e nota superior a 0 na redação.

Também é necessário ter renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até três salários mínimos.

O programa é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O primeiro é operado pelo governo federal, sem incidência de juros, para estudantes que têm renda familiar de até três salários mínimos por pessoa; o percentual máximo do valor do curso financiado é definido de acordo com a renda familiar e os encargos educacionais cobrados pelas instituições de ensino. Já o P-Fies tem regras específicas e funciona com recursos dos fundos constitucionais e dos bancos privados participantes, o que implica cobrança de juros.

Fies segundo semestre

Ontem (25), o MEC publicou, no Diário Oficial da União, as regras para o processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) referente ao segundo semestre de 2021. O cronograma de seleção, entretanto, ainda será publicado em edital específico.

A portaria dessa segunda-feira trata dos procedimentos e regras de oferta de vagas pelas instituições de educação superior, seleção das vagas a serem ofertadas, inscrição dos candidatos, classificação e pré-seleção dos candidatos, complementação da inscrição pelos candidatos pré-selecionados e redistribuição das vagas entre os grupos de preferência.

Gabaritos do Enem serão divulgados nesta quarta-feira

Os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 poderão conferir amanhã (27) os gabaritos oficiais das provas objetivas do exame. O Enem impresso foi aplicado nos dias 17 e 24 de janeiro.

Os participantes resolveram questões objetivas de matemática, ciências da natureza, ciências humanas e linguagens. Fizeram também a prova de redação, a única subjetiva do exame. Os gabaritos serão divulgados no portal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Mesmo com os gabaritos em mãos, não é possível saber a nota no exame. Isso porque o Enem é corrigido com base na chamada teoria de resposta ao item (TRI), que leva em consideração, entre outros fatores, a coerência de cada estudante na própria prova.

Ou seja, se ele acertar questões difíceis, é esperado que acerte também as fáceis. Se isso não acontecer, o sistema entende que pode ter sido por chute. O estudante, então, pontua menos que outro candidato que tenha acertado as mesmas questões difíceis, mas que tenha acertado também as fáceis.  

A previsão para a divulgação dos resultados finais é dia 29 de março. Nessa data, os participantes saberão também quanto tiraram na redação. No entanto, somente depois da divulgação do resultado, em data ainda a ser definida, os candidatos terão acesso à correção detalhada da prova de redação, apenas para fins pedagógicos. 

Ao todo, segundo o Inep, cerca de 2,5 milhões de candidatos fizeram as provas este ano, número que representa menos da metade dos participantes inscritos nas provas. O Enem 2020 terá ainda uma versão digital, que será aplicada nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

As notas poderão ser usadas para acessar o ensino superior e participar de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) – que oferece vagas em instituições públicas – Programa Universidade para Todos (ProUni) – que oferece bolsas de estudo em instituições privadas – e, Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que oferece financiamento em condições mais vantajosas que as de mercado. 

Reaplicação

O Enem ocorreu em meio à pandemia do novo coronavírus e, por isso, adotou uma série de medidas de segurança, como o uso obrigatório de máscaras. Os participantes que estivessem com sintomas de covid-19 ou outra doença infectocontagiosa não deveriam comparecer aos locais de prova.

Esses estudantes poderão fazer o exame na data da reaplicação, nos dias 23 e 24 de fevereiro. Para isso, aqueles que ainda não o fizeram, têm até o dia 29 para solicitar a reaplicação na Página do Participante.] Podem também pedir para participar da reaplicação os candidatos que foram prejudicados por questões logísticas, como falta de água ou luz e aqueles que foram impedidos de fazer o exame porque as salas estavam lotadas e era preciso garantir o distanciamento entre os participantes. Segundo o Inep, isso ocorreu em pelo menos 37 escolas de 11 cidades.

As provas foram canceladas no estado do Amazonas, em Rolim de Moura (RO) e em Espigão D’Oeste (RO) por causa da pandemia. Esses estudantes também deverão fazer o exame na data da reaplicação. Eles não precisarão, contudo, solicitar a participação. Segundo o Ministério da Educação, foram cerca de 20 ações judiciais em todo o país contrárias à realização do exame.

Nenhum comentário: